22.1 C
Caminha Municipality
Sexta-feira, 12 Abril, 2024
spot_img
InícioNotíciasDistritoViana do Castelo: Projeto de conclusão da Ecovia Litoral Norte vai avançar...

Viana do Castelo: Projeto de conclusão da Ecovia Litoral Norte vai avançar com financiamento comunitário

O vice-presidente da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) garantiu hoje, durante uma visita a Viana do Castelo, que será encontrada uma solução para terminar a Ecovia do Litoral Norte, que vai unir os concelhos de Viana do Castelo, Esposende e Caminha. O anúncio foi feito durante uma visita à intervenção em S. Simão (Mazarefes), realizada no âmbito do REACT – EU – Reabilitação da Rede Hidrográfica de Viana do Castelo, onde estiveram presentes o Presidente da Câmara Municipal e a vereadora do Ambiente, autarcas e técnicos municipais.

Captura De Ecrã 2024 02 22, às 18.46.51

José Carlos Pimenta Machado, vice-presidente da APA, afirmou que, no âmbito da Polis Litoral Norte, foram efetuadas mais de 30 intervenções e investidos mais de cinco milhões de euros. “Há um antes e um depois da Polis Litoral Norte”, sublinhou, assumindo o compromisso de que a Ecovia Litoral Norte, um dos projetos âncora da PLN, seja finalmente concluída, ligando os três concelhos.

“Os 72 quilómetros da Ecovia estão por terminar, sendo que estão executados 50 quilómetros. Os troços que faltam, sobretudo na zona urbana, vão agora ser alvo de um levantamento para se encontrar financiamento no próximo quadro comunitário”, avançou o responsável da APA, para quem é fundamental terminar este projeto.
Em Viana do Castelo está prevista uma ponte sobre o Rio Lima para modos suaves, nomeadamente pedonal e ciclável, e a Câmara Municipal abriu já concurso internacional de ideias para a construção de uma ligação a jusante da ponte Eiffel. Esta travessia visa, de acordo com o autarca de Viana do Castelo, Luís Nobre, reforçar a mobilidade sustentável no concelho e dar continuidade à rede de ciclovias e ecovias, que já conta com 45 quilómetros. Este projeto foi também bem acolhido pelo responsável da APA, que garantiu apoio total e sublinhou que será efetuado um trabalho para garantir o seu financiamento, uma vez que desta forma fica concluída toda a malha da ecovia do Litoral Norte.

Na visita a Viana do Castelo, o responsável ainda enfatizou o trabalho desenvolvido na orça costeira, nas margens dos rios e na valorização das praias. A propósito, sublinhou que em Lanheses está a primeira reabilitação com base natural do país, um projeto iniciado nas margens em 2014 e que serve de exemplo para tantas obras semelhantes, como em S. Simão, onde estiveram hoje. No âmbito de uma candidatura, a autarquia investiu 341.277 mil euros para reabilitar dois troços das margens do Rio Lima, um compreendido entre a União de Freguesias de Mazarefes e Vila Fria e Vila Franca (margem esquerda), vulgarmente conhecida como Veiga de S. Simão, uma das zonas húmidas mais importantes do concelho, com valores naturais de extrema relevância para o bem estar humano, e um segundo troço compreendido entre a União de Freguesias de Torre e Vila Mou e Lanheses (margem direita), que apresentavam graves problemas de erosão, onde foram implementadas diferentes técnicas de reabilitação, adaptadas às caraterísticas de cada um dos locais.

Das técnicas de engenharia natural aplicadas, salientam-se a estacaria viva, o entrançado, as faxinas vivas, o enrocamento, o esporão e a plantação de espécies nativas. Com estas intervenções estima-se que a curto/médio prazo seja reestabelecido o equilíbrio natural do ecossistema local. Trata-se de uma candidatura apresentada pelo Município de Viana do Castelo ao Programa Operacional COMPETE2020 – REACT-EU Reabilitação da Rede Hidrográfica, que teve como objetivo a intervenção de zonas das margens do rio que apresentavam graves problemas erosivos.

Os trabalhos preconizados assentaram numa estratégia de desenvolvimento sustentável para as margens das linhas de água e para a sua envolvente, através da implementação de soluções de reabilitação fluvial mais próximas da Natureza, em cerca de 4,5 quilómetros, que promovem a consolidação das margens e a resiliência do território face ao impacto do risco das cheias, bem como a criação de um ambiente mais saudável.

- Publicidade -spot_img
- Publicidade -spot_img
- Publicidade -spot_img

Mais Populares