16.4 C
Caminha Municipality
Terça-feira, 25 Junho, 2024
spot_img
InícioNotíciasPaísPaís: Governo reafirmou ao presidente da Junta da Galiza compromisso na alta...

País: Governo reafirmou ao presidente da Junta da Galiza compromisso na alta velocidade

O ministro das Infraestruturas assegurou ontem, após um breve encontro com o presidente do governo regional da Galiza, que o executivo mantém o compromisso da ligação ferroviária em alta velocidade entre Lisboa e Vigo, bem como a Madrid.

De acordo com o ministro das Infraestruturas e Habitação, Miguel Pinto Luz, ficou claro numa reunião de trabalho com “o governo da Junta da Galiza” a garantia de que “a prioridade que existia” do anterior Governo, de ligação em alta velocidade Lisboa-Vigo, “mantém-se”, e que tal como o executivo anunciou há dias somará a esse investimento a necessidade de começar “a ligação Lisboa-Madrid”.

“Essa prioridade está absolutamente clara para o Governo português […], que são as duas horas que preferencialmente irão ligar Lisboa a Vigo e, mais tarde, Lisboa-Madrid em três horas e, portanto, a Península Ibérica será com certeza um espaço mais coeso, mais próximo”, afirmou Pinto Luz.

O governante português falava no Ministério das Infraestruturas e Habitação, em Lisboa, após um breve encontro com Alfonso Rueda, presidente da Junta da Galiza.

“Mas, aqui uma menção especial para a Galiza, uma relação especial de facto, que o país tem com esta fronteira muito mais permeável a Norte”, frisou.

O ministro salientou que as parcerias público-privadas (PPP) para a ligação em alta velocidade do lado português “estão calendarizadas”, desde o anterior Governo que “já estavam sinalizadas”, e o atual executivo (PSD/CDS-PP) liderado por Luís Montenegro reafirma “esse compromisso”, assumindo que tem que haver “esse caráter simbiótico dos dois lados”.

“Temos condições para garantir que os dois lados estarão alinhados em prazos para não termos pronta a obra de um lado da fronteira e depois não temos pronta do outro lado e, portanto, tanto em Lisboa-Madrid, como Lisboa-Vigo estão os calendários absolutamente ligados”, assegurou Miguel Pinto Luz, notando que “são projetos para gerações”.

Sobre a bitola ferroviária adotada na ligação de alta velocidade, o ministro assumiu que o Governo está tranquilo e que “Portugal e Espanha estão alinhados”.

“Estamos a fazer em bitola ibérica […], portanto, Espanha tem a obra a decorrer em bitola ibérica e Portugal fará na mesma bitola que Espanha”, respondeu Pinto Luz, acrescentando que os dois governos estão “absolutamente interligados na decisão e a seu tempo, toda a infraestrutura está a ser preparada para poder haver uma migração no tempo certo e isso está a ser negociado com a Comissão Europeia”.

Questionado acerca de eventuais melhorias na atual ligação ferroviária entre as duas capitais ibéricas, o governante frisou que “Lisboa-Madrid é um projeto faseado” e o TGV só estará operacional em 2034, mas até lá prometeu “melhorar toda a oferta de serviços”.

“Teremos uma ligação cada vez melhor ao longo desta década para permitir essa ligação Lisboa-Madrid, portanto, não será só em 2034 que […] poderemos ir com qualidade entre Lisboa e Madrid, em 2034 poderemos ir mais rápido”, salientou Pinto Luz, sem avançar pormenores dos investimentos, mas garantindo que até lá se terá a “melhoria desse serviço” e que esse “é um processo gradativo e absolutamente fundamental”.

O presidente da Xunta de Galicia explicou que o encontro serviu para “conhecer em primeira mão com o responsável pelas Infraestruturas do Governo português” as “perspetivas em relação à execução de uma infraestrutura” que, para Portugal e certamente para a Galiza, “é absolutamente fundamental”, a ligação ferroviária de alta velocidade entre a Galiza e o Norte de Portugal.

Perante o anúncio do Governo português de executar a ligação entre Lisboa e Madrid, sobre a qual a Galiza “não tem absolutamente nada a objetar”, Alfonso Rueda Valenzuela quis saber se poderia haver “um atraso, um adiamento da execução da infraestrutura que para a Galiza” é “absolutamente fundamental”.

Isto porque, sublinhou, a “Euro região Galiza-Norte de Portugal” é “de longe o território transfronteiriço entre Espanha e Portugal onde se realizam a maior parte dos intercâmbios de todo o tipo, de natureza económica, a circulação de trabalhadores”, e tudo o que “envolve uma relação muito fluida desde há muitos anos entre a Galiza e o Norte de Portugal”.

“Saio desta reunião muito calmo, muito satisfeito. O ministro confirmou-nos que o Governo português mantém a sua intenção de implementar esta infraestrutura, incluindo prazos muito específicos”, admitiu Alfonso Rueda, considerando, no entanto, que “cada mês que passa é essencial” para a data apontada pelo Governo português para chegar à fronteira com Espanha.

A linha de alta velocidade Lisboa-Porto deverá ligar as duas principais cidades do país numa hora e 15 minutos, com paragens possíveis em Gaia, Aveiro, Coimbra e Leiria. O percurso Porto-Vigo está estimado em 50 minutos.

A primeira fase (Porto-Soure) da linha de alta velocidade em Portugal deverá estar pronta em 2030, estando previsto que a segunda fase (Soure-Carregado) se complete em 2032, com ligação a Lisboa assegurada via Linha do Norte.

O concurso público para o lote 1 (Porto-Oiã) da primeira fase foi lançado em janeiro, e o do lote dois (Oiã-Soure) deverá ser lançado em julho. A ligação a Lisboa avançará em 2026.

Já a ligação do Porto a Vigo, na Galiza (Espanha), para depois de 2030, terá estações no Aeroporto Francisco Sá Carneiro, Braga, Ponte de Lima e Valença (distrito de Viana do Castelo).

No total, segundo o anterior Governo, os custos do investimento no eixo Lisboa-Valença rondam os sete a oito mil milhões de euros.

LUSA

- Publicidade -spot_img
- Publicidade -spot_img
- Publicidade -spot_img

Mais Populares