14.7 C
Caminha Municipality
Sábado, 22 Junho, 2024
spot_img
InícioNotíciasPaísPaís: Águas do Alto Minho vai investir mais de 262 mil euros...

País: Águas do Alto Minho vai investir mais de 262 mil euros para detetar fugas na rede

A empresa Águas do Alto Minho (AdAM)vai investir mais de 262 mil euros para detetar fugas na rede que serve sete concelhos da região, de acordo com o anúncio hoje publicado em Diário da República (DR).

De acordo com o concurso público para a prestação de serviços de deteção de fugas de água na rede de abastecimento de água, hoje consultado pela agência Lusa, o prazo de execução da empreitada é de 36 meses.

Com o preço base de 262.500 euros, a intervenção vai ser realizada nos concelhos de Arcos de Valdevez, Caminha, Vila Nova de Cerveira, Paredes de Coura, Ponte de Lima, Valença e Viana do Castelo.

O prazo para apresentação de propostas termina no dia 02 de maio, sendo que os concorrentes são obrigados a manter as propostas 90 dias, a contar a partir daquela data.

Em 2022, aquando da abertura de um concurso público semelhante, no valor de 300 mil euros, a empresa avançou à Lusa que a rede que serve sete dos 10 concelhos do distrito de Viana do Castelo tem uma extensão de 3.700 quilómetros de condutas, que perde, 50% da água para abastecimento.

Na altura, o então presidente executivo da Águas do Alto Minho (AdAM), João Neves, disse que através do investimento em eficiência hídrica são criadas zonas de monitorização e controlo, para “medir a quantidade de água que se gasta em determinadas zonas e depois com equipas de deteção ativa, procurar as fugas”.

A AdAM é detida em 51% pela Águas de Portugal (AdP) e em 49% pelos municípios de Arcos de Valdevez (PSD), Caminha (PS), Paredes de Coura (PS), Ponte de Lima (CDS-PP), Valença (PS), Viana do Castelo (PS) e Vila Nova de Cerveira (PS), que compõem a Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho.

Três concelhos do distrito – Ponte da Barca (PSD), Monção (PSD) e Melgaço (PS) – recusaram integrar a parceria.

A AdAM, com sede em Viana do Castelo, começou a operar em janeiro de 2020, “dimensionada para fornecer mais de nove milhões de metros cúbicos de água potável, por ano, e para recolher e tratar mais de seis milhões de metros cúbicos de água residual, por ano, a cerca de 70 mil clientes”.

LUSA

- Publicidade -spot_img
- Publicidade -spot_img
- Publicidade -spot_img

Mais Populares