Em 3 Dezembro, 2019 Por Em Caminha, Distrito

Obra da EB 2,3/S de Caminha arrancou hoje

Começou hoje, formalmente, a empreitada de requalificação e ampliação da Escola Secundária Sidónio Pais, em Caminha, um investimento que ronda os 3,5 milhões de euros e que corresponde a uma aspiração antiga da comunidade escolar, que este Executivo vai agora concretizar. Os contentores que vão acolher estudantes e pessoal docente, durante os trabalhos, já estão a ser instalados nos terrenos da escola e a transição vai fazer-se durante as férias de Natal, numa operação coordenada entre a Câmara, Junta de Freguesia de Caminha e Vilarelho e Agrupamento de Escolas Sidónio Pais.
Cerca de dezena e meia de contentores começou a chegar esta manhã ao complexo escolar, por forma a que a transição e início da obra possa acontecer durante as férias de Natal, de modo a causar o menor transtorno possível à comunidade escolar e aos trabalhos letivos.
“Foi um processo difícil, mas conseguimos e esta é uma vitória que vai fazer a diferença nesta e nas próximas gerações. Até já havia quem se questionasse sobre se a obra da Escola Secundária Sidónio Pais seria mesmo uma realidade”, referiu Miguel Alves que assistiu, na Escola, à chegada dos equipamentos.
Como é público, este foi um processo difícil do ponto de vista burocrático, depois de um primeiro concurso internacional que ficou deserto. A Câmara foi assim forçada a reformular o projeto e aumentar o esforço financeiro para o levar por diante, lançando o segundo concurso, que teve um desfecho diferente. Apurado o vencedor ainda antes do verão, foi necessário conseguir o visto do Tribunal de Contas e, finalmente foi adjudicada a obra. Por vontade do Agrupamento, a obra começa agora, por forma a acautelar, na medida do possível, a perturbação que um empreendimento desta envergadura sempre implica.
“Temos finalmente em marcha um projeto muito ambicioso, que encomendamos a um arquiteto que é professor na escola, o que faz toda a diferença. Investimos, neste processo, três anos de trabalho, mas chegamos à obra. Porventura ao contrário do passado, houve vontade política, fez-se o projeto e garantiu-se o dinheiro”, diz o presidente da Câmara”. Esta obra – continua – “é a resposta à necessidade de qualificar o nosso ensino dotando a escola de mais e melhores meios, servindo alunos, professores, funcionários e famílias e cumprindo com a missão nobre de melhorar o presente para transformar o futuro. Uma obra sempre pedida, sempre prometida e sempre adiada que agora se tornou realidade”.
Recorde-se que a Escola se situa num lote desnivelado de 22.340m2, na freguesia de Vilarelho, adjacente à estrada nacional.

Acerca de

Cidália Aldeia

Chefe de Redação