Em 17 Julho, 2018 Por Em Caminha

Jovens do concelho contribuíram com três projetos para o orçamento participativo jovem de Portugal

Os jovens do concelho de Caminha contribuíram com três projetos para o Orçamento Participativo Jovem de Portugal (OPJP). O encontro de participação decorreu ontem à tarde, em pleno areal da praia de Vila Praia de Âncora e o ambiente inspirou as propostas finalistas. Acabariam por ser apresentadas três, todas ligadas à natureza.

Na ocasião foi também assinado o protocolo que oficializa a operacionalização, no concelho, do Minhocleta,
A tarde de praia solarenga e o belíssimo cenário tornaram-se o espaço ideal para este encontro de participação, que começou com uma breve explicação, por parte das duas jovens que viram o seu projeto escolhido pelo voto em 2017 e que será em breve implementado, beneficiando também o concelho de Caminha. Marta Silva e Joana Amorim são as autoras do Minhocleta, que prevê a aquisição de bicicletas em regime de partilha de utilização, que serão disponibilizadas em locais a designar, nos territórios de Viana do Castelo e Caminha, para uso gratuito.

O presidente da Câmara de Caminha, Miguel Alves, e o diretor regional do Instituto Português da Juventude e Desporto, Vítor Dias, assinaram depois o protocolo relativo ao Minhocleta. Estava assim dado o mote para os jovens presentes se entusiasmarem, debaterem as suas ideias e formaliza-las, como aconteceu.

Recorde-se que as áreas temáticas elegíveis este ano são o desporto inclusivo, diálogo intergeracional, inovação cultural e sustentabilidade ambiental, podendo cada projeto atingir um montante máximo de 100 mil euros.
Os projetos apresentados pelos jovens caminhenses incidiram em duas das áreas, o desporto inclusivo e a sustentabilidade ambiental. Um dos grupos de jovens que se formaram pretende (re)florescer o Minho, em ligação com o Foundation Fest – Nature, Love & Music, um novo festival cuja primeira edição decorrerá no próximo ano, e que foi apresentado recentemente na praia das Azenhas, em Vilar de Mouros. É descrito como um evento de cariz social e de consciencialização ecológica, onde uma percentagem da bilheteira reverterá a favor da reflorestação das zonas ardidas do concelho de Caminha.

Outro grupo de jovens, unidos já pelo desporto e pela prática do remo (pertencem ao Sporting Clube Caminhense) pretendem condições para alargar a prática da modalidade, sobretudo na área da formação, e o seu projeto passa pela aquisição de novas embarcações.
O terceiro grupo quer aproveitar as condições naturais do território e “desenhar” percursos por terra, mas também aquáticos.

Estes e outros projetos vão constar do portal do Orçamento Participativo Jovem de Portugal, em https://opjovem.gov.pt/, onde poderá ser encontrada mais informação. Os vencedores vão tornar-se realidade, porque há 500 mil euros para isso mesmo, uma verba que quase duplica o montante do ano passado.
Conforme sublinhou Vítor Dias, Portugal é o único país do mundo com um Orçamento Participativo nacional. Uma realidade que o concelho de Caminha já conhece bem, tendo acolhido até alguns destes encontros, mas sobretudo porque a participação cidadã é uma das prioridades do atual Executivo, sob diversas formas, e já contribuiu para que alguns sonhos se tornassem realidade, como foi o caso do Cais dos Pescadores, em Caminha.
“Se as pessoas se envolvem, se temos mais ideias, se temos até mais críticas, então somos melhores naquilo que fazemos”, disse Miguel Alves, incentivando os jovens a tomar parte dos múltiplos fóruns de participação, envolvendo-se nas decisões coletivas e mantendo uma atitude vigilante sobre a atuação dos organismos públicos.

Os encontros como o que ontem decorreu em Vila Praia de âncora, são momentos presenciais de apresentação e debate de propostas de âmbito nacional e regional, assim como espaços de esclarecimento e auxílio aos cidadãos jovens que pretendam participar ativamente no processo do OP Jovem. Mais informação no site  https://opjovem.gov.pt/

Acerca de

Rui Lopes