Em 20 Junho, 2018 Por Em Arcos de Valdevez

Estação de São Bento recebe duelo histórico entre Afonso Henriques e o primo Afonso VII de Leão e Castela

Um dos momentos cruciais para a formação de Portugal ganha vida no átrio principal da estação de São Bento a 28 de junho. A recriação histórica, de um momento também representado no icónico painel de azulejos da estação, vai envolver dezenas de figurantes de época.

O Recontro de Valdevez é um momento icónico da história de Portugal que teve lugar em 1141 e colocou frente-a-frente os exércitos de Afonso Henriques, futuro primeiro rei de Portugal, e os do seu primo Afonso VII de Leão e Castela.

Quase 900 anos depois, a 28 de junho, o Recontro ganha vida no átrio principal da estação de São Bento, não estivesse este momento representado nos icónicos azulejos de Jorge Colaço. Esta recriação será ainda uma bela homenagem ao artista, já que em 2018 se comemoram os 150 anos do seu nascimento, assumindo assim esta iniciativa no âmbito do programa celebrativo definido pela Infraestruturas de Portugal.

Apesar de começar na estação de São Bento, por volta das 17h, o evento alastrar-se-á pelas ruas da Baixa do Porto e contará com dezenas de figurantes medievais. Entre eles, Afonso Henriques, Afonso VII e respetivas guardas e escudeiros. A música e a dança, típicas da época, também não vão faltar.

Este evento no Porto serve de apresentação à Recriação Histórica do verdadeiro Recontro, que acontece a 7 e 8 de julho em Arcos de Valdevez. Esta é já a 3.ª edição de uma verdadeira viagem à Idade média e ao século XII com dois dias cheios de dança, música e atividades, das 15h às 00h, no recentemente reabilitado Paço de Giela. (mais informações, aqui).

Vídeo do evento no Porto em 2016:

Teaser da Recriação História de 2017: https://www.youtube.com/watch?v=npoGckXeNtc

Para mais informações contactar:

Liliana M. Pinho
liliana.modestopinho@gmail.com | 914 120 168

Contexto: A história do torneio que evitou uma batalha
O Recontro de Valdevez, ou Torneio de Arcos de Valdevez, aconteceu no Vale do Rio Vez, em Arcos de Valdevez, quando D. Afonso Henriques rompeu a paz de Tui (1137) e invadiu território galego.
Em resposta, as forças de Afonso VII de Leão e Castela entraram em terras portuguesas, arrasando os castelos à sua passagem. Era sinal de uma batalha quase certa, mas o momento acabou por culminar num “bafordo”, um tipo de torneio medieval representativo da destreza dos cavaleiros envolvidos, cujo resultado da contenda era normalmente aceite por ambas as partes, evitando um desnecessário derramamento de sangue.

Assim aconteceu em Valdevez: os dois primos acordam uma convivência pacífica, numa lição inteligente de diplomacia e bom senso, bases fundamentais para o início da consolidação do futuro reino de Portugal e, sobretudo, de união face ao rápido avanço árabe no Sul.

De qualquer forma, a sorte das armas pendeu para o lado português e muitos historiadores consideram que o episódio foi o passo decisivo e a última etapa para o nascimento de Portugal, já que valeu a D. Afonso Henriques as boas graças da Igreja e antecedeu a celebração do Tratado de Zamora em 1143.

Acerca de

Rui Lopes