Em 15 Maio, 2018 Por Em Caminha

Caminha integra o Projeto Piloto de Defesa da Floresta

Caminha é um dos nove concelhos pioneiros em mais um importante passo para a defesa da floresta, o Programa Nacional de Redução de Ignições, ontem apresentado em Lisboa, que avança já esta semana. Estes municípios integram o projeto piloto de desenvolvimento de um sistema de avaliação de queimas de amontoados de combustível florestal e autorização de queimadas.

A cerimónia de ontem, que contou com a presença do Primeiro-Ministro e do ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos, incluiu a assinatura de protocolos do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) com a Associação de Municípios para Gestão de Queimas e Queimadas, e com as Forças Armadas para a vigilância da floresta, constitui, nas palavras de António Costa, “um passo muito importante na melhoria do sistema de defesa da floresta contra incêndios”. O você-presidente da Câmara, Guilherme Lagido, participou nesta cerimónia em nome do Município de Caminha, assinando o respetivo protocolo.

O projeto piloto avança já nos nove municípios alargando-se aos prioritários até final de junho. Além de Caminha, os primeiros concelhos a integrarem o projeto são Monchique (Algarve), Mafra (distrito de Lisboa), Valongo e Arouca (Porto), Portalegre (Alentejo), Fornos de Algodres e Figueira de Castelo Rodrigo (Guarda) e Oleiros (Castelo Branco).

O resto dos concelhos serão integrados no projeto do sistema de avaliação de queimas e autorização de queimadas até outubro, segundo o programa.

Luís Capoulas Santos explicou que o protocolo entre o ICNF e a Associação Nacional de Municípios se destina a “garantir que se tenha, tanto quanto possível, um número de ignições cada vez mais reduzido (…) Se reduzirmos, teremos menos incêndios. Todos nós sabemos que um elevado número de incêndios decorre de ação humana e que uma grande parte deles é resultado de negligência, decorrente da falta de informação”.

Acerca de

Cidália Aldeia

Chefe de Redação