Em 3 Janeiro, 2018 Por Em Política

Uso “abusivo” de herbicida leva vereadores e deputados do PSD à Serra D’Arga

 

Os vereadores do PSD Liliana Silva, José Presa e Paulo Pereira, acompanhados da deputada da nação Emília Cerqueira, deslocaram-se recentemente à União das Freguesias de Argas para reunir com os seus representantes, para em conjunto dialogarem sobre o sucedido no verão passado no que diz respeito a uma intervenção levada a cabo com herbicida para combate à espécie infestante háquea-picante.

Este foi um dos assuntos abordados na última Assembleia Municipal de dezembro de 2017 pelo deputado municipal João Lages .

É do conhecimento comum e internacionalmente assente que o vulgo herbicida é fortemente prejudicial ao meio ambiente, com malefícios incuráveis para a fauna, flora e para a saúde dos seres humanos.

As repercussões na saúde pública resultantes da utilização e aplicação de herbicidas são irrefutáveis, estando na ordem do dia.

Pelo que é com profunda consternação que assistimos à utilização massiva, num dos maiores ecossistemas deste concelho que é a Serra de Arga, de herbicida numa área que estimamos na ordem dos 500 hectares para combate à háquea.

A questão de fundo, e que é consentânea entre todos nós, não é da proibição ou não da utilização dessas substâncias.

Porém, o uso massivo numa área tão extensa, com eliminação não selectiva de  todas as espécies de flora, é no mínimo intolerável.

Irremediavelmente todo um ecossistema foi afectado e os danos são notórios a olho nu.

O mais absurdo é que é sabido que os meios mecânicos, não poluentes, que consistem na gradagem do terreno para quebra das raízes é muito mais eficaz, sem as consequências elencadas na saúde global.

Aliás, registamos que o herbicida, para além dos malefícios que encerra, é ineficiente, dado que é visível no local o reaparecimento da espécie invasora em grande escala, sendo certo que a intervenção tem poucos meses.

Naturalmente, nada poderemos fazer para contrariar os malefícios do sucedido.

Porém, não podemos admitir que o edil da Câmara Municipal se demita da sua consciência e que ridicularize a situação, demitindo-se das suas funções de defesa dos superiores interesses da população.

Reiteramos que bem sabemos que a utilização de herbicida não é proibida, mas não aceitámos que a Câmara Municipal não tenha tomado uma posição inteligente e crítica, opondo-se à utilização massiva de herbicida tal como sucedeu.

Assim, e porque é nosso dever de honestidade e altivez política trazemos ao debate público as questões que entendemos de mérito, para que em conjunto com todos os interessados e intervenientes se possa agir em conformidade.

Fazemos saber que a questão foi reencaminhada para os órgãos institucionais responsáveis e que será comunicado ao Ministério Público para que se proceda à meritória averiguação das circunstâncias deste incidente.

Por fim, mas não menos importante, agradecemos e saudamos aos membros do Baldio e Junta da União das Freguesias de Argas o acolhimento e participação francos no debate de tão relevante matéria para todos.

CPS- PSD Caminha

 

Acerca de

Cidália Aldeia

Chefe de Redação