Em 12 Julho, 2019 Por Em Caminha

Execução da Rede de Defesa da Floresta Contra Incêndio em fase de conclusão

A defesa da floresta contra incêndios é uma das prioridades do Município de Caminha. São muitos os investimentos que têm sido realizados nas florestas do concelho, para criar condições que minimizem o risco da ocorrência de incêndios florestais. É o caso da empreitada de execução da Rede de Defesa da Floresta Contra Incêndios, que está em fase de conclusão. Só este investimento, de cerca de meio milhão de euros, permitiu executar as faixas de gestão de combustível das redes primária e secundária, numa área de 315,52 hectares. A esta empreitada juntam-se os trabalhos levados a cabo pela Equipa de Sapadores Florestais (SF 25-111). Guilherme Lagido, vice-presidente do Município, fez um périplo pelo concelho a fim de verificar o trabalho já realizado.

A operação (Rede de Defesa da Floresta Contra Incêndios) permitiu executar a rede de faixas de gestão de combustíveis – primária e secundária – planeadas em sede de PMDFCI, com uma abrangência municipal, com vista à minimização dos efeitos da passagem dos incêndios florestais.
As freguesias abrangidas foram: Arga (Arga de São João, Arga de Cima e Arga de Baixo), Lanhelas, Seixas, Vilar de Mouros, Argela, Dem, Gondar e Orbacém, Riba de Âncora, Âncora, Venade e Azevedo, Vilarelho e Vila Praia de Âncora.

A empreitada incluiu várias intervenções: execução de trabalhos florestais de corte e controlo do estrato arbustivo e herbáceo; corte e desbaste de povoamentos florestais, para correção de densidades; desramações e podas; acordoamento e trituração de despojos e controlo/erradicação de espécies infestantes, como são os casos da háquea e da acácia, de modo a evitar a propagação de incêndios florestais e reforçar as condições de segurança das forças de combate.

Com estes trabalhos pretendeu-se aumentar a resiliência do território florestal ao risco de incêndio florestal; diminuir a área percorrida por grandes incêndios florestais; criar oportunidades de apoio ao combate a eventuais incêndios florestais; alterar o regime de fogo do concelho e, ainda, a recuperação silvo pastoril do território, que se reveste de enorme importância para as populações, sobretudo as de montanha.

Mas, como referimos, os trabalhos da defesa da floresta contra incêndios no concelho de Caminha não se resumem à execução de faixas de gestão de combustível das redes primária e secundária do concelho. Ao longo do ano, são muitas as ações realizadas no mesmo âmbito, privilegiando-se a prevenção. De facto, o Município tem levado a efeito, através da Equipa de Sapadores Florestais (SF 25-111), múltiplos trabalhos, como são os casos das ações de silvicultura preventiva, ações de gestão florestal, vigilância, primeira intervenção em incêndios florestais e apoio a rescaldo e vigilância pós-incêndio.

De realçar que, recentemente, esta equipa procedeu a trabalhos de limpeza, manutenção e requalificação da rede de pontos de água do concelho, bem como à beneficiação, desobstrução e limpeza de caminhos estruturantes da rede viária florestal.

Acerca de

Rui Lopes