Em 8 Março, 2016 Por Em Empreende +, Podcasts, Rubricas - Artigos

Clínica Dentária S. Rita há 40 anos a prestar serviços na comunidade

 

Abriu portas há 40 anos e foi um dos primeiros consultórios dentários a instalar-se na vila de Caminha. Nasceu pelas mãos do odontologista José Lima da Costa e o seu consultório, instalado na Rua D. Nuno Alvares Pereira em Caminha deu origem, alguns anos mais tarde, à hoje designada Clínica Dentária S. Rita, situada na Rua Visconde de Sousa Rego, que conta já com outros consultórios em Vila Praia de Âncora, Viana do Castelo e Valença.

 

Com a prestação de serviços em todas as áreas da medicina dentária, a Clínica Dentária S. Rita aposta na formação e diferenciação para um atendimento de excelência nas comunidades onde está representada.
No Empreende + desta semana convidamo-lo a conhecer um pouco melhor esta clínica que, apesar de contar já com 4 décadas, soube ao longo dos anos evoluir e expandir a sua área de atuação.
O Jornal C falou com Sandra Gavinha, diretora clínica que nos traçou o percurso deste espaço clinico.
“A Clínica Dentária S. Rita surge há 40 anos não na forma de clínica no que respeita à sociedade comercial, mas com a abertura de um consultório dentário pela mão de um odontologista, o Senhor José Lima da Costa que ainda hoje faz parte da gerência desta clinica. Este consultório dentário foi um dos primeiros da vila de Caminha”.

Posteriormente e graças ao espírito empreendedor do seu fundador que, como refere a diretora, “foi sempre uma pessoa que procurou estar atualizada, modificar e melhorar o seu desempenho profissional e prestar o melhor serviço à comunidade”, evoluí para uma sociedade por quotas com a designação de Clínica Dentária S. Rita, alargando o seu quadro clinico. Sandra Gavinha assume o cargo de diretora clinica e entretanto novos profissionais foram sendo admitidos.
“Esse aumento de profissionais veio permitir alargar a atuação em todas as áreas diferenciadas da medicina dentária, solucionando os problemas de saúde oral pelos quais somos procurados”.
“Temos profissionais diferenciados que prestam assistência desde a implantologia, à ortodontia fixa e removível, à medicina dentária conservadora e à reabilitação oral protética, com destaque para o atendimento odontopediátrico, odontogeriátrico e na área da oclusão e motricidade oral. Apostamos numa constante melhoria no que diz respeito à nossa formação profissional. De resto esta é uma exigência que a clínica tem relativamente aos profissionais que aqui prestam serviço”.
Este espaço clínico trabalha de uma forma integrada, discutindo os planos de tratamento mais complexos, que possam vir a ser implementados em cada paciente, nas reuniões clínicas do corpo clínico.
“De uma forma transversal procuramos, com o conhecimento de todos, solucionar de forma correta as necessidades do paciente que nos escolhe. A nossa atuação tem como base o respeito pelos princípios éticos e deontológicos da profissão, no atendimento desse paciente. É este o objetivo principal da clínica”, explica.

clin sta rita - clinica

Ao longo dos últimos 40 anos a medicina dentária assistiu a uma grande evolução e os métodos e formas de trabalhar tiveram que se adaptar às novas exigências do mercado, à evolução das técnicas e até dos próprios materiais, área em que é necessário manter uma constante actualização.
“A medicina dentária em Portugal teve uma evolução exponencial. Não podemos esquecer que esta é uma profissão muito jovem, os primeiros licenciados em medicina dentária surgem em Portugal por volta do início dos anos 80. Até 1976 a formação na área dentária, fazia-se nos cursos de odontologia não existindo portanto médicos dentistas”.

Mas segundo Sandra Gavinha, esta evolução da profissão acontece não só com os novos profissionais com formação médica, mas também com uma atitude diferente dos pacientes para com a sua saúde oral. Hoje mais bem informados procuram os serviços dos profissionais e despertam para os aspetos da prevenção, que em qualquer área médica, se considera a base do sucesso no controlo da doença “Tem havido uma evolução constante e posso dizer, com conhecimento de causa, porque me encontro ligada ao ensino da medicina dentária em Portugal tendo desenvolvido uma carreira académica paralela ao exercício clinico, que a medicina dentária do nosso país é hoje uma das melhores da Europa, senão a melhor. Tem evoluído exponencialmente e no que toca ao ensino estamos realmente muito bem, com um ensino nesta área de grande qualidade ministrado nas Universidades e realço aqui a aposta forte nos cursos de pós graduação que permitem diferenciações.

A mudança de atitude por parte dos portugueses no que toca à saúde oral é outro dos aspetos que Sandra Gavinha enaltece:
“Já existe uma grande preocupação por parte dos portugueses no que toca à saúde oral e a verdade é que, dentro das suas possibilidades as pessoas deslocam-se ao médico dentista com alguma frequência. Na minha opinião, o que falta, é mais apoio por parte do próprio estado. Nós temos desde 2008 implementado um programa de saúde oral que é o “cheque dentista” e que é o único existente em termos comunitários. Abrange algumas faixas etárias e grupos especiais. É um excelente programa quando bem aproveitado e quando bem implementado. Nos últimos dias tem-se falado muito da integração dos médicos dentistas no Serviço Nacional de Saúde. É algo que está em projeto mas eu acredito que muito em breve surgirão notícias muito boas para a população portuguesa pois esta mudança trará essencialmente a resposta a muitas necessidades não satisfeitas de saúde oral e a médio prazo uma melhoria no que são os índices de saúde oral do nosso país”.

clin sta rita - clinica caminha

A saúde oral não é algo isolado mas faz parte da saúde sistémica do individuo e por vezes grandes patologias orais são causa do agravamento ou mesmo o desenvolvimento de outras patologias. “Esta é uma realidade de que as pessoas se começam a aperceber e que faz com que haja uma maior preocupação por parte das populações”.
O valor atribuído à estética também veio contribuir para uma maior procura dos profissionais de medicina dentária: “Os índices sócio dentários são hoje mais valorizados. As pessoas procuram ter uma aspeto agradável e saudável e isso faz com que se desloquem com mais frequência ao médico dentista”.
A Clinica Dentária S. Rita tem procurado nos últimos anos alargar a sua área de atuação e neste momento, além do consultório em Caminha, dispõe de mais 3 espaços de atendimento clínico, aumentando também o seu corpo clínico, que Sandra Gavinha diz ser “um corpo clínico coeso com a mesma linha de atuação que a direção clínica define para o atendimento em todos os consultórios. De uma forma geral resolvemos os problemas relacionados com a saúde oral que se nos apresentam. O nosso objetivo é proporcionar ao paciente, de forma integrada, o melhor tratamento”.

Neste momento o corpo clínico é composto por sete médicos dentistas, quatro assistentes e um administrativo, sendo que um dos aspetos a realçar, de acordo com a Diretora Clínica, é a estabilidade desse mesmo corpo clínico e dos restantes profissionais, assim com a sua diferenciação. “Existe uma aposta forte no acompanhamento dos pacientes que nos procuram e que em nós confiam a sua saúde oral”. Quanto a projetos para o futuro Sandra Gavinha diz que existem alguns que se estão a desenvolver“ para alargar um pouco mais as áreas geográficas para o atendimento clínico “Estamos a trabalhar nesse sentido como forma de continuar com o nosso papel junto das comunidades em que nos encontramos e de outras onde futuramente nos iremos aproximar.

De realçar também os aspetos relacionados com a responsabilidade social, em que a clínica de uma forma voluntária tem participado ao longo da sua existência levando a sua contribuição à população através de ações de prevenção primária e informação sobre saúde oral. Deste modo completamos o nosso papel nas comunidades.
Continuar a crescer e a prestar um serviço de Medicina Dentária de excelência à população das comunidades onde está inserida, é o grande objetivo da Clínica Dentária S. Rita que em fevereiro completou 40 anos.

Acerca de

Jornal C