Em 11 Setembro, 2018 Por Em Cultura

Circular Festival de 22 a 29 de Setembro em Vila do Conde

A 14ª edição do Circular Festival de Artes Performativas reúne de 22 a 29 de Setembro de 2018, em Vila do Conde, onze propostas de artistas portugueses e internacionais que cruzam os universos da dança contemporânea, da performance, da música e do pensamento.

Integram a edição de 2018 trabalhos dos artistas Ricardo Jacinto (Portugal), Christian Rizzo (França), João Pais Filipe (Portugal), Joclécio Azevedo com Isabel Costa (Brasil/Portugal), Clara Amaral (Portugal), Ana Jotta, Cyriaque Villemaux e João dos Santos Martins (Portugal/França), João Tiago Dias/José Alberto Gomes (Portugal), Marcela Levi e Lucía Russo (Brasil/Argentina). O programa do 14º Circular inclui ainda um debate com a participação de Joana von Mayer Trindade & Hugo Calhim Cristovão + Celeste Natário, Claúdia Marisa, Ezequiel Santos e Sofia Vilar, e a “Aula Aberta” com o compositor José Alberto Gomes e o percussionista João Tiago Dias.

A abertura do 14º Circular Festival de Artes Performativas está agendada para o dia 22 de Setembro e vai ser assinalada por três momentos. Numa produção do Circular em co-produção com as Curtas Metragens CRL / Solar – Galeria de Arte Cinemática, o Festival regressa à Solar Galeria de Arte Cinemática com a exposição “Cinco Filmes e uma Máscara” de Ricardo Jacinto. Com inauguração agendada para 22 de Setembro, Sábado, às 18:30, a intervenção no espaço da Solar vai incluir a apresentação de várias instalações vídeo e um concerto-instalação especificamente desenhado em articulação com o espaço da galeria e a exposição, que vai ser apresentado no dia 29 de Setembro. A entrada é livre.

No mesmo dia, às 21:30, no Teatro Municipal de Vila do Conde, o coreógrafo francês Christian Rizzo, um dos mais renomados coreógrafos europeus e director do Centro Coreográfico Nacional de Montpellier Languedoc-Roussillon, regressa ao Circular depois de uma passagem pelo Festival em 2015 para apresentar “ad noctum” em estreia nacional. Este espectáculo retoma a inspiração das danças populares, em particular das danças a pares, e reúne em palco dois intérpretes emblemáticos das criações de Rizzo, Julie Guibert e Kerem Gelebek. “ad noctum inscreve-se numa pesquisa coreográfica que tenta devolver uma visibilidade actual a motivos decorrentes da prática da dança popular e por vezes anónima”, destaca Christian Rizzo.

Ainda no Sábado, o músico João Pais Filipe apresenta no Teatro Municipal de Vila do Conde, às 22:30, o concerto de lançamento do seu disco homónimo a solo, no qual explora o encontro entre registos contemporâneos e primitivos, numa pluralidade rítmica que recorre a um kit customizado de percussão adaptado para tocar novos ritmos, timbres e texturas. A entrada no concerto é livre.

No Domingo, dia 23 de Setembro, entre as 16:30 e as 18:30, também no Teatro Municipal de Vila do Conde, Joana von Mayer Trindade e Hugo Calhim Cristóvão realizam o 1º Encontro-Debate do projecto “Dos Suicidados – O Vício de Humilhar a Imortalidade” que vai contar, também, com a participação de Celeste Natário (Docente FLUP), Claúdia Marisa (Professora Adjunta na ESMAE), Ezequiel Santos (Psicólogo e psicoterapeuta, doutorando em arte contemporânea, programador) e Sofia Vilar (Psicóloga Clínica e da Saúde). Neste projecto, Joana von Mayer Trindade e Hugo Calhim Cristóvão prosseguem uma pesquisa coreográfica intimamente ligada à filosofia e à literatura, desta vez em torno de Raul Leal, autor de uma obra extravagante, poeta, escritor, jornalista, colaborador do Orpheu, entre outros.

Joclécio Azevedo, Artista Residente da Circular Associação Cultural, traz ao Festival em 2018 o projecto “Modos de Usar” com a bailarina Isabel Costa. Entre 2018 e 2021, Joclécio Azevedo foi desafiado pela Circular a desenvolver em Vila do Conde um projecto para os próximos quatro anos, numa relação de proximidade com a cidade. “Modos de usar” é um projecto que tem como objectivo agregar e apresentar propostas performativas que dialoguem com a questão da política do utilizador, aqui entendida enquanto possibilidade especulativa e enquanto ferramenta conceptual. Em 2018, vai decorrer uma residência artística (18-25 de Setembro) e uma Conferência/performance no contexto do Festival, no dia 25 de Setembro, às 21:30, no Auditório Municipal de Vila do Conde, de entrada livre.

Durante a semana, de 26 a 29 de Setembro, de Quarta-feira a Sábado, a jovem coreógrafa portuguesa Clara Amaral, que reside actualmente em Amsterdão, leva ao Teatro Municipal de Vila do Conde a performance “Do you remember that time we were together and danced this or that dance?”. Esta performance apresenta uma publicação imaterial que, em vez da forma impressa, foi decorada pela artista e é dita oralmente, em sessões individuais, com a duração de 30 minutos cada. Ao todo estão previstas 20 sessões distribuídas por quatro dias. Trata-se de uma oportunidade para conhecer uma jovem criadora que apresenta o seu trabalho pela primeira vez em Portugal.

Numa estreia absoluta, João dos Santos Martins, Artista Residente da Circular desde 2015, apresenta “Onde está o casaco?” em co-criação com Cyriaque Villemaux e Ana Jotta. O espectáculo de dança vai decorrer no Auditório da Santa casa da Misericórdia de Vila do Conde, no dia 28 de Setembro, Sexta-feira, às 21:30. A entrada é livre.

No Sábado, dia 29 de Setembro, o Auditório Municipal de Vila do Conde recebe o concerto-instalação “Auto-retrato” (para tempo, multipercussão, luz, electrónica e performer) de João Tiago Dias/José Alberto Gomes com a duração de quatro horas consecutivas (o público poderá entrar e sair durante a apresentação). Neste trabalho, apoiado pelo programa Criatório da Cãmara Municipal do Porto, o percussionista João Tiago Dias vai interpretar uma obra do compositor José Alberto Gomes. A antecipar o concerto-instalação de Sábado e numa parceria com o Conservatório de Música de Vila do Conde, José Alberto Gomes e João Tiago Dias apresentam uma aula aberta que abordará o processo de mediação/proximidade entre compositor e intérprete na criação da obra artística. A Aula decorre no dia 27 de setembro, Quinta-feira, às 18:30, e é dirigida aos alunos do Conservatório e ao público em geral (entrada livre).

Também no Sábado, às 19:30, na Solar, Ricardo Jacinto junta-se a Nuno Torres para o concerto-instalação “MEDUSA SPECTRUM” para violoncelo, electrónica, rádios e objecto ressonante. Ricardo Jacinto e Nuno Torres têm mantido uma colaboração contínua nos últimos anos, partilhando vários projectos em duo, em diversos espaços, e em articulação com um conjunto vasto de músicos. A entrada é livre.

O encerramento do Circular acontece no dia 29 de setembro, Sábado, às 21:30, com a estreia nacional de “Deixa Arder” da brasileira Marcela Levi e da argentina Lucía Russo. Com interpretação da performer Tamires Costa, “Deixa Arder” estabelece uma relação muito próxima e intimista com os espectadores, num tom provocatório e quase burlesco, ao som do funk, do jazz e do pop.

Tags : ,

Acerca de

Miguel Estima