Em 30 Novembro, 2017 Por Em País

Alto Minho TrEx – Apresentação pública de balanço e resultados

No passado dia 24 de novembro no Salão Nobre dos Paços do Concelho de Parede Coura, na presença do Presidente da Câmara de Paredes de Coura, Vitor Paulo Pereira e do Secretário Executivo da CIM Alto Minho, Júlio Pereira, a associação “The Nature Conservancy”, organização internacional líder na conservação da biodiversidade e do meio ambiente, apresentou publicamente os resultados do Alto Minho TrEx.

Nesta sessão foram ainda divulgados alguns resultados ao nível das ações piloto realizadas no terreno, destacando-se o envolvimento das comunidades e dos tomadores do território, os 75 ha de áreas tratadas de acordo com distintos objetivos, abrangendo desde a defesa da floresta contra incêndios (DFCI), passando pela gestão de pastagens, até à melhoria da gestão cinegética e do tratamento de zonas de interface urbano-florestal.

Os participantes, pertencentes a cerca de 30 organismos provenientes de 5 nacionalidades, ficaram em regime de internato, compartilhando conhecimentos e técnicas, num contexto de incidente e sob uma organização de comando, para uma escala temporal média de um grande incêndio florestal (cerca de 8 dias). Esta ação contou ainda com a colaboração das diversas equipas de sapadores florestais e das corporações de bombeiros voluntários do território do Alto Minho no acompanhamento das intervenções realizadas.

Agregados em grupos de brigadas e equipas, foram discutidas expetativas, procedimentos de segurança, meteorologia e comportamento e ecologia do fogo. As ações experimentais no terreno foram executadas por técnicos credenciados em fogo controlado, com apoio das equipas de supressão e respetivos meios, para além do envolvimento da comunidade local. Como é natural, no final das intervenções foram realizados trabalhos de consolidação do perímetro das parcelas com recurso a ferramenta manual e utilização de água. A este propósito, a organização esclareceu que, na sequência da análise de causas efetuada, com a participação do SEPNA de Viana do Castelo, à situação referenciada em notícia da comunicação social, relativa às parcelas de Carvoeiro (Viana do Castelo) e de Poiares (Ponte de Lima), não existe qualquer ligação entre as intervenções realizadas e as ocorrências registadas 25 horas depois.

Para Jeremy Bailey, coordenador do programa TrEx da “The Nature Conservancy”, esta iniciativa, realizada pela primeira vez na Europa, foi um verdadeiro sucesso, quer pela capacidade de concretização dos objetivos propostos à equipa de cerca de 60 bombeiros, técnicos, forças especiais, grupos de intervenção e científicos, quer pela partilha de experiências inovadoras sobre a cultura local do fogo, a ecologia do fogo e os desafios da sua gestão à escala da paisagem. Já José Luis Duce, também especialista sénior da “The Nature Conservancy” em uso e ecologia do fogo, destacou a diversidade das “cores” do grupo e a capacidade de relacionamento interpessoal respeitando em todos os momentos as normas e regras de funcionamento na organização e gestão de incidentes (ICS/IMT).

No âmbito desta iniciativa, o ICNF efetuou também a apresentação do “Plano Nacional de Fogo Controlado”, onde, no que respeita aos objetivos de distribuição percentual da área intervencionada com as técnicas usadas em silvicultura preventiva, se assume a meta de 50% para o “fogo controlado” contra os 4% atuais.

Deste modo e tendo Viana do Castelo sido selecionado como um dos Distritos de intervenção prioritária no âmbito do referido “Plano Nacional de Fogo Controlado”, cujo concurso será lançado em princípio no início do próximo ano, a CIM Alto Minho enfatizou a importância de realização desta iniciativa orientada para a capacitação e intercâmbio de conhecimento e experiências de natureza multidisciplinar entre entidades regionais, nacionais e internacionais, para assegurar a adequada concretização dos desafios colocados no âmbito do referido Plano.

Por último, importa destacar que a CIM Alto Minho, no decorrer do seminário internacional “Alto Minho Firecamp”, apresentou o Plano Regional de Fogo Controlado do Alto Minho, integrado no referido Programa Nacional, tendo como meta para o ano 2021 a gestão de cerca de 300 parcelas e 4.000 hectares.